dez 072017
 
Author Rating / Nota do Autor:

O melhor seriado dos últimos tempos: e que você certamente ainda não viu.

Em meio a tantos seriados de zumbis, super-heróis e teorias mirabolantes surge “This Is Us“, já a algum tempo chegado no Brasil pelo serviço televisão por assinatura, arrebata corações por onde passa com a fórmula mais simples e mais eficiente até hoje: um bom roteiro.

Tudo gira em torno da família Pearson onde três irmãos nascidos no mesmo dia compartilham as emoções e inseguranças que todos nós também vivemos como o medo de rejeição, ser aceito em sociedade (e pela própria família), dúvidas sobre a vida infantil e adulta, dentre temas como racismo, obesidade mórbida, conquistas, triunfos e desilusões amorosas. Sendo um relato das vidas de Jack e Rebecca que esperam trigêmeos, as vidas acabam se desenrolando ao longo dos dezoito episódios da primeira temporada. Kevin é um belo ator de televisão que está cansado de fazer papéis superficiais, Kate é uma mulher obesa que vive uma eterna luta para perder peso e Randall reencontra seu pai biológico que o abandonou quando ele era apenas um bebê recém-nascido.

Ao invés de termos mais um seriado apelativo com atitudes nonsense e repreensíveis (ou demasiadamente apelativas) cheias de castelos e de paisagens mirabolantes, encontramos o cotidiano convencional. Desde o primeiro momento a sutileza das relações familiares e as dificuldades que possuem em interagir com o mundo dito “normal”. Porém mesmo sendo “normal” ainda assim existe dificuldade de relacionamentos e interações. De forma comovente o seriado é conduzido de forma simples e, como se fosse apenas uma nova crônica do mundo atual, traz perspectivas bem convencionais porém nada esperadas a cada episódio: bem como é a vida.

Transmitido no Brasil pela FOX, “This Is Us” é daqueles seriados onde quem tem tendências fortes a se emocionar frente a telinha, tem um prato cheio. Ou melhor, transbordando.

Um dos melhores que já vi nos últimos anos (até agora).

E não. Infelizmente não está no Netflix.

The Strain (2014)

 Blogger, Daniel Arrieche, Séries, The Strain  Comentários desativados em The Strain (2014)
nov 142014
 
Author Rating / Nota do Autor:

TheStrainTMPC

 

 

Um avião pousa silenciosamente sem chamar a atenção de radares ou de qualquer pessoa. O aeroporto aciona imediatamente a segurança nacional que isola a área e nota que nenhum movimento existe lá dentro. E para espanto maior ainda a aeronave encontra-se completamente fria, gelada, como se estivesse há pouco tempo congelada. Neste momento o Dr. Ephraim Goodweather, especialista e chefe da vigilância sanitária, é chamado para investigar o caso. Dentro do avião são encontrados quase todos os passageiros mortos, com exceção de alguns poucos sobreviventes, e que no mesmo momento são colocados em quarentena. Apenas um detalhe que poucos notaram: um baú em forma de caixão, cuidadosamente entalhado, some misteriosamente do bagageiro do avião. Assim começa o primeiro episódio de “The Strain” que criado, escrito e dirigido por Guilhermo Del Toro (de “O Labirinto do Fauno“) e produzido pelo mago Carlton Cuse empolga com um clima soturno e de muito mistério. Porém a trama se desenvolve muito além disso, com muitos personagens complexos a serem explorados e com histórias ainda encobertas: assim como em Lost, vários flashbacks vão sendo colocados ao longo dos episódios justificando atitudes estranhas e extremas de heróis e bandidos. A história é muito bem conduzida levando o expectador a ficar ávido pelo próximo capítulo e com um tema muito popular: vampiros. Porém a série conseguiu renovar o gênero tendo uma nova alusão as origens do personagem descrito por Bram Stoker, porém sem desmitificar a lenda mantendo intactos princípios fundamentais (necessidade de sangue, aversão a luz, queimaduras por prata, etc) e ainda adiciona a especulação de que o líder dos mostros seria um ser nazista. A série já é um sucesso e foi renovada para a segunda temporada. Um misto de ficção e aventura que vale a pena.

 

 

Link para o IMDb

 

The Leftovers (2014)

 Blogger, Daniel Arrieche, Séries, The Leftovers  Comentários desativados em The Leftovers (2014)
set 192014
 
Author Rating / Nota do Autor:

Leftovers

 

O que aconteceria se de repente, sem nenhuma explicação uma parcela da população desaparecesse sem deixar vestígio nenhum? Um ente querido, um vizinho, ou um amigo próximo simplesmente deixasse de existir diante de seus olhos em uma fração de segundos? Esta foi a premissa do seriado “The Leftovers” que terminou sua primeira temporada. Não era apenas a grande expectativa de uma boa história, mas também a mão de Damon Lindelof trazendo novamente um belo quebra-cabeças a ser desvendado dez anos após “Lost” (que revolucionou a forma de assistir televisão). O seriado segue a vida do chefe de polícia Kevin Garvey que além de também tentar compreender o fenômeno dos desaparecidos repentinamente, tem de lidar com a suposta esquizofrenia do pai, pesados dramas familiares e ainda um grupo de fanáticos vestidos de branco que insiste em fazer com que o mundo jamais esqueça de que os demais habitantes da terra foram literalmente deixados para trás. O livro de Tom Perrota (roteirista) em que a série foi inspirada não é seguido a risca e traz nuances diferentes, mas que não comprometem o andamento da saga vivida pelos habitantes da cidade de Mapletown. O início de “The Leftovers” é arrebatador: famílias em pânico, suicídios coletivos visto a perda de pessoas próximas e o caos disseminado frente a uma nova situação sem controle. Junte tudo isto as visões sem nexo do personagem principal (juntamente com seus rompantes de personalidade desconhecida), cães raivosos e ensandecidos correndo em matilhas, um líder religioso acusado de promover orgias em busca da cura e teremos um emaranhado de pontas soltas a serem conectadas até a conclusão da série. Ainda há aqueles que não assistiram ao seriado com receio de se decepcionarem ao final de tudo: porém ainda é cedo para dizer qual o rumo que será dado aos remanescentes ou qual vertente será enraizada. E simplesmente esperar por um “Grand Finale” agradável e simpático após uma grande jornada, é como julgar um jantar de luxo apenas pela sobremesa servida. Deguste e saboreie. Pois a segunda temporada já está a caminho…

 

 

Link para o IMDb