Medianeras (2011)

 Comédia, Daniel Arrieche, Drama  Comentários desativados em Medianeras (2011)
set 122013
 
 
Martin e Mariana vivem em Buenos Aires, no mesmo bairro e na mesma rua. Tem objetivos, meios, lugares e princípios em comum. Porém nunca se viram, e talvez isto nunca venha a acontecer pois eles estão na era do amor virtual. A película argentina faz uma amostra de simplicidade e de direção segura e competente: personagens complexos e de fácil manejo em um cenário extremamente comum a todos nós: a tão famosa selva de pedra. Em uma cidade de três milhões de habitantes onde o medo, a paranóia, e as facilidades da vida moderna nos trazem uma realidade plausível, os acontecimentos mais banais fazem com que na tela fiquem estereotipados. O filme argentino em muito lembra a dupla gaúcha Jorge Furtado e Giba Assis Brasil, tanto na narração quanto na montagem, mais os cortes secos e pontes entre situações distantes. Una excelente película muestra bien hecho! Clap! Clap! Clap! Clap!

Amor a Toda Prova (2011)

 Comédia, Daniel Arrieche, Drama, Romance  Comentários desativados em Amor a Toda Prova (2011)
nov 142011
 

Um clichê atrás do outro. E o melhor: sem ser clichê. Não consigo rotular este filme como comédia romântica ou como drama existencial, ou ainda como familiar. É filme de roteiro bem escrito e burlescamente inevitável com cenas inesperadas e outras nem tanto. Onde incrivelmente se vê Steve Carel em um papel dramático e Marisa Tomei descabidamente cômica. A primeira cena define a trama com a separação do casal, antes juntos por 25 anos e agora enfrentando situações difíceis e peculiares ao fim de um longo relacionamento. Preste atenção na sutileza dos detalhes e será impossível não se colocar no lugar de algum personagem: Julianne Moore, Kevin Bacon (quase um ponta) e Ryan Gosling (no máximo esforçado) fecham a “intrépida trupe”. Um filme que surpreende pela agilidade sem ser mais do mesmo. Ah! E não esquece de agradecer a escolha da trilha sonora!

Meia Noite em Paris (2011)

 Comédia, Daniel Arrieche, Fantasia, Filmes, Romance  Comentários desativados em Meia Noite em Paris (2011)
nov 092011
 

midnight_in_paris01

Woody Allen consegue ser sutil e ao mesmo tempo pitoresco em seus filmes. Há quem não goste do diretor americano, e o criticam justamente por seu humor ácido e corrosivo que acaba tocando justamente o coração dos críticos de cinema. Pois em “Meia Noite em Paris” ele ataca novamente, fazendo com que sua cidade européia preferida seja palco para seu alterego rever grandes nomes da música, pintura e literatura mundial em uma aventura quase esquizofrênica onde Owen Wilson entra a meia-noite em uma carruagem para encontrar os personagens que o ajudarão então a concluir a obra que está escrevendo. A direção segura faz com que a obra se torne agradável arrancando boas gargalhadas nos embates verbais entre o protagonista e seus algozes, que são nada menos que o ex-namorado de sua esposa, e também seu sogro (que chega ao ponto de contratar um detetive para persegu-lo). Dentre um e outro diálogo, Allen não deixa de alfinetar com piadinhas infames seus conterrâneos, já sendo uma piada dizer que sua cidade preferida é Paris, e não Nova York como sempre sugere. As presenças da primeira dama francesa Carla Bruni e da oscarizada Kathy Bates enriquecem o contexto entre personagens ilustres como Pablo Picasso, Modigliani, Hemingway (caricato), Luiz Buñuel, e Salvador Dali (que ficou cômico com Adrien Brody). Para quem curte literatura (e Paris em especial) é um senhor filme.

Link para o IMDb

Never Let Me Go (2010)

 Daniel Arrieche, Drama, Ficção Científica, Romance  Comentários desativados em Never Let Me Go (2010)
nov 082011
 

url

No inicio é um filme esquisito até que você dá conta de que está assistindo a uma ficção. Se passa em meados de 1980, onde crianças clonadas, no nascimento são criadas a margem da sociedade, para que mais adiante sejam usados para extração de orgãos, para que os próprios clones sobrevivam. A expectativa de vida dos “humanos” sobe para aproximadamente 120 anos. Não pense em ver algo tipo “Repo Men” ou ainda um certo “Blade Runner”, e sim uma Inglaterra antiga e com tons pastéis na fotografia. Ainda que o filme conste com Keira Knightley e Carey Mulligan, quem acaba por roubar a cena e emocionar, é a simplicidade de Andrew Garfield. Um bom filme.