ago 252017
 
Author Rating / Nota do Autor:

O diretor Christopher Nolan é considerado polemico? Não, apenas é colocada em duvida sua capacidade de direção e de interpretar fatos de forma mais profunda do que outros considerados mais introjetados. Não há duvidas é sobre seu novo rebento “Dunkirk“. Não é uma obra-prima do cinema, mas talvez seja a obra-prima de Nolan: um filme de guerra com a marca da garra e da tensão feitos com esmero até a última rajada.

O início já diz que teremos que acompanhar três faces de uma guerra: e que no entanto acabam por se desdobrando muito mais caras que podemos imaginar. Os atores escolhidos para atuarem no “chão e no mar” da batalha são praticamente desconhecidos justamente para dar veracidade ao evento, uma vez que os recolhidos de Dunkirk tinham em sua maioria entre 18 e 19 anos. O próprio Nolan atravessou da Inglaterra até o local dos resgates, levando mais de dezenove horas.

Os detalhes com a estética também foram cuidadosos: as cores usadas em cada lente para cada uma das três histórias contadas, são diferentes para que o público pudesse definir a cronologia dos fatos e da ordem ao longo do filme. As câmeras subjetivas dão os assentamentos perfeitos deixando os espectadores tensos até o último minuto. Outro detalhe importante e também curioso é a fuga proposital de comparações com “Resgate do Soldado Ryan“: a tensão e a visão deveriam ser bastante diferentes. E foram.

A presença de poucos atores de renome também dão o norte a Nolan: Cillian Murphy, Tom Hardy (quase sempre encoberto pela máscara no cokpit) e Kenneth Branagh encabeçam momentos distintos da trama, dando um ar mais profissional e seguro do que ter “apenas” atores jovens. Curiosidade: o ator Michael Caine também está no filme, mas de forma bastante escondida pilotando um dos caças. Seu nome nem consta nos créditos. Todo cuidado se torna pouco, uma vez que o tarimbado ator já fora visto num papel semelhante em 1969.

No fim das contas, Nolan consegue demonstrar um grande paradoxo de todas as guerras: o abandono da batalha como uma das vitórias e a fuga como o grande triunfo. E com isso ele consegue convergir em si mesmo trazendo a dúvida da grandeza do próprio diretor.

out 212015
 
Author Rating / Nota do Autor:

Cinezone Poster - The Martian

 

Em mais uma das muitas missões enviadas ao planeta Marte, a equipe da Ares III tem problemas devido a uma tempestade inesperada. Com o perigo iminente de perder a espaçonave e talvez toda a tripulação, a decisão de partida e abortar a missão se tornam necessárias. Em vias de deixar o planeta, um acidente ocorre: uma das partes da nave atinge gravemente o astronauta Mark Watney que, dado como morto, é deixado para trás. Porém Mark está vivo, muito ferido e talvez o pior: sozinho.

O diretor Ridley Scott é muito conhecido justamente por sua experiência em filmes sci-fi, tendo como expoentes o clássico “Blade Runner” e o sombrio “Alien” (filme que deflagrou a onda de monstros extraterrenos persistente até hoje) e ainda sua frustrada tentativa de prequel em “Prometheus”. Porém desta vez ele surpreende público e crítica indo na contramão da indústria cinematográfica, fazendo um filme mais “simpático” utilizando cores mais claras e mais softs, ou ainda as vezes sendo até muito bem humorado. O ator Matt Damon encaixa-se no perfil desejado para o papel uma vez que já esteve isolado em outras situações como “O Resgate do Soldado Ryan” sendo que em algumas consegue fazer também a “Trilogia Bourne” trabalhando perfeitamente sozinho: ele consegue ficar muito a vontade (e as vezes até debochar) da situação onde seu protagonista se encontra.

Pegando o gancho de Damon, a trilha sonora é um deleite a parte para quem gosta do som dos anos setenta como Bee Gees, Donna Summer, Gloria Gaynor, Abba e no momento apropriado David Bowie encontra em pleno espaço a clássica “Starman”.

Outra observação importante a ser feita (spoiler) são as possíveis gafes (goofs) da produção no que se refere ao que é feito no espaço, a exemplo da plantação de batatas feita por Mark: é perfeitamente possível. Desde a comunicação entre os planetas, efeitos especiais na sobrevivência dos astronautas até os acontecimentos com as naves, foram pesquisados na própria NASA para que nenhum dado pudesse ser dado como inverossímil. Inclusive a própria reconstituição do planeta Marte feita pela produção de Ridley Scott foi concebida por especialistas como a mais perfeita feita até hoje…

No contexto geral “Perdido em Marte” se faz um filme bastante interessante na questão cinematográfica, pois acaba por buscar boa parte dos críticos tanto quanto ao público que apenas procura entretenimento. Se for assistir nas salas de exibição em qualquer cinema, espere um público bastante compenetrado e salas lotadas.

 

Título Original: “The Martian”

Direção: Ridley Scott