nov 032018
 
Author Rating / Nota do Autor:

O ano é 1985. “Live Aid”. Shows ao vivo acontecendo simultaneamente em vários países diferentes. E qual é o único show que durou pouco mais de vinte minutos, em que se lembra perfeitamente? Certamente é o show do “Queen”. Indo neste caminho e partindo da premissa da eternização dessa passagem meteórica, “Bohemian Rhapsody” já pode ser considerado um clássico.

O filme conta a trajetória de Freddie Mercury e sua banda desde o início das primeiras incursões no meio musical até o final apoteótico no templo de Wembley. Com uma direção já conhecida e segura de Bryan Singer (X-Men) conseguimos facilmente encontrar o frontman em Ramy Malek (ator já conhecido e premiado pelo seriado “Mr. Robot”). Ainda que não tenha sido o primeiro ator escolhido para interpretar o vocalista da banda, o ator está simplesmente genial e certamente será lembrado pelos trejeitos estudados e perfeitamente coreografados para alcançar uma performance parecida com o ícone da música pop. Não será nenhuma surpresa se for agraciado com a estatueta.

Baseado em relatos verídicos “Bohemian Rhapsody” busca a essência musical na formação do “Queen” até seu apogeu e término com a descoberta da doença que liquidaria com a vida de Freddie. O filme trata de ser o mais verossímil possível, detalhando fatos da vida íntima de Freddie, sua solidão e insatisfação com o ser que sempre esteve preso dentro de si. E que com a banda ele conseguia fazer aparecer. Como em “O Médico e o Monstro”, se transformava quando em conjunto com sua família musical. Fora dela? Orgias e abuso de álcool e drogas acompanhado de pessoas as quais apenas interagiam falsamente atrás de alguma vantagem. Nota-se que em raros momentos o ator está sozinho ou sem interação com outros personagens, fato que acaba por ratificar os depoimentos colhidos.

Não se incomode com pessoas batucando nas cadeiras ou ainda batendo com os pés de forma espontânea no chão, tentando por exemplo seguir as batidas de “We Will Rock You”. É praticamente impossível não interagir tanto com o filme, quanto com a banda.

Um daqueles compromissos obrigatórios para quem gosta um pouquinho que seja de boa música.

jun 022017
 
Author Rating / Nota do Autor:

O diretor Guy Ritchie tem um estilo único: qualidade que o destaca do senso comum e o coloca entre aqueles que mudaram de certa forma a maneira de ver cinema. Em “Rei Arthur” consegue imprimir mais uma vez sua marca, porém desta vez em uma história épica. Ou nem tanto. Entra ano e sai ano, os guetos continuam sendo inspiração. Assim como em “Jogos, Trapaças e Dois Canos Fumegantes”, “Snatch” e “Rock´n´Rolla” o clima soturno de pancadaria e diálogos afiados vindos das ruas é presente e pode acontecer a qualquer momento, com a diferença que hoje o abuso da tecnologia só faz ajudar.

A história é conhecida, mas tem algumas nuances peculiares: Arthur vive nas ruas imundas de uma Londres (assim chamada então Londonium) e controla seus becos e ruelas, porém não faz ideia de sua linhagem até entrar em contato pela primeira vez com Excalibur – a lendária espada (de seu pai Uther Pendragon) guardada por Viviane (a rainha do lago) que aparece depois do açoriamento de um rio – mas ele não consegue controlar tamanha responsabilidade na espada, e precisa enfrentar demônios e se unir a ela para assumir seu posto por direito. Mas para isso deve encarar Vortigern (Jude Law), seu tio e então sanguinário rival.

Recheado de referências a antiga lenda, o então “Rei Arthur” interpretado por Charlie Hunnam, é estilizado a época pós moderna com um corte de cabelos feito em nossas novas barbershops e pelo andar da carruagem – desculpas pelo trocadilho – é conectado a novas tendências da moda e sempre com gel “mousse” fixante no cabelo. Quando ainda criança é treinado em uma academia de artes marciais. Só falta o tênis bamba, de tanto escorregar na malandragem. Mas ainda assim não perde a magia do personagem: beneficiado pelas trucagens e montagens bem feitas, consegue ser quase um cavaleiro de jogos Playstation quando as lutas empunhadas com espada acontecem.

O filme ainda abusa no uso do “low-bullet” e de câmeras que os atores carregam que cham a lembrar selfies. Também nas montagens de fala e cenários, fazendo com que a dinâmica da obra segure o espectador até o final. Perdas a parte ficam pela minguada Morgana interpretada por Astrid Berges-Frisbey, que apesar de esforçada fica longe da musa Eva Green em Camelot. Ah! Uma das surpresas guardadas é uma ponta feita por David Beckham. Quem acaba se sobressaindo em relação ao elenco é Aidan Gillen, que faz o Ensaboado Bill.

No fim das contas, uma boa diversão.