abr 302015
 
Author Rating / Nota do Autor:

OMPC_Avengers2

 

O novo filme dos vingadores dividiu públicos, fãs, cinéfilos e críticos. A nova saga da trupe Marvel continua o último filme com uma expectativa exagerada, uma ânsia de rever os heróis baseados no sucesso da estréia do primeiro e acaba por fazer morna a opinião dos mais afoitos. Logicamente que os filhos de quadrinhos irão gostar pois não é sempre que temos Homem de Ferro, Thor, Capitão América, Hulk, dentre outros tantos em uma única película, e o melhor: trazendo novos personagens.

A trama segue em volta de defender o mundo, desta vez contra um inimigo imaterial criado pelo próprio Tony Stark com a ajuda do Dr. Banner. Sem querer, o experimento toma forma, consciência e vida própria com uma força descomunal se chamado Ultron. O ser criado é malévolo e parte para a teoria da destruição para a evolução. Entre outras palavras: é necessário o fim do planeta para construção de um mundo melhor.

O filme não é por si só apenas pancadaria, pois trás uma tentativa rasa de levantar alguns temas como família, onde o Gavião Arqueiro possui dúvidas entre lutar e ficar com sua esposa e filhos. Também como em outros filmes da franquia, o armamento bélico produzido pelas indústrias Stark e a responsabilidade frente o “consumidor final” de seus produtos. Mas nem tudo está perdido. Um dos pontos fortes está justamente nas contradições do “ser” herói e na “humanização” como por exemplo na relação da Viúva Negra (Scarlett Johansson) e do gigante verde onde um romance impossível pode destrinchar a inquietude do auto-destrutivo isolando ainda mais o que não pode ser separado: o homem do monstro de cada um.

Outro acerto e que acaba ganhando confiança aos poucos é Ultron, que interpretado por James Spader vai do ódio pelo próximo ao amor a si mesmo instantaneamente. A soberba do veterano ator trouxe um toque especial e peculiar ao simbionte de lata, onde entre a ingenuidade e frases prontas acabam por emergir no público um efeito por vezes encantador. Ainda podemos citar a inserção dos gêmeos Mercúrio (que fica muito longe do criado por Evan Peters para”X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido“) e Feiticeira Escarlate que de fracos e sem expressão passam a vitais na trama, e também para a próxima aventura, bem como o carismático Visão (sempre bem e inexplicavelmente sempre conduzido a papéis secundários, Paul Bettany) que acaba por ser o revés direto de Ultron.

Não saia da sala de cinema antes do término dos créditos, pois apos as letrinhas subirem, tem surpresa logo ali.

Link para o IMDb

fev 052015
 
Author Rating / Nota do Autor:

TMPC_Birdman

O diretor Alejandro Gonzáles Iñárritu já é conhecido por seus roteiros fantásticos e também por normalmente inovar a cada obra. Inicialmente conhecido por “Amores Brutos” (onde também despontou Gael Garcia Bernal), mostra conhecimento de técnicas e de atores, e ainda como não raro misturar o cinema fantástico. Agora vem nos brindar com o inquieto Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância), um filme de difícil concepção e de entendimento múltiplo: neste caso, para bons entendedores meias palavras não bastam.

A história nos apresenta Rigggan, um decadente ator de meia-idade que há mais de vinte anos atrás ficou conhecido por interpretar Birdman, um anti-herói contestado por pais e críticos porém idolatrado por crianças e grande parte da população. Mas ficou atrelado a esta imagem e não há maneira de se livrar desta “roupa”. Em uma peça de teatro escrita e dirigida por ele, vê a chance de reconquistar seu respeito e também sua família.

Os melhores (e mais conhecidos) papéis de Michael Keaton foram feitos atrás de máscaras: em “Beetlejuice” (com a tosca tradução em português: “Os Fantasmas Se Divertem”) e no Batman de Tim Burton. Ninguém melhor que Keaton para encarar quase uma comédia de sua própria vida, de seus próprios fracassos e porque não dizer sua própria canastrice. Aqui ele está em casa, em uma atuação difícil e completa porém extremamente familiar, vide algumas “coincidências” impostas pelo próprio roteiro de Iñárritu: o último filme de Riggan interpretando o homem-pássaro foi em 92, mesmo ano de seu último filme como o homem-morcego. Mas as coincidências não param por aí: Edward Norton e Emma Stone também participaram de outros filmes de heróis como “O Incrível Hulk” e “O Espetacular Homem-Aranha“, respectivamente. E as referências continuam até o último momento lembrando muito e propositadamente Hitchcock, Godard, Kubrick (spoiler: cena de perspectiva que lembra muito “O Iluminado” inclusive usando uma réplica perfeita do tapete usado no filme) dentre outros. Spoiler: em um determinado momento Riggan cita George Clooney, comentando que se os dois estivessem em um avião, a capa do jornal seria a morte de Clooney, e não a de Riggan. Mais uma vez “casualmente” o ator George Clooney foi o Batman em duas sequências após a saída de Keaton do papel.

Mas o mérito do filme não é apenas a metalinguagem ou as referências. Não pára por aí. Do início ao fim em algum momento o espectador tende a se identificar, seja com as atitudes do protagonista em relação a sua profissão de altos e baixos, seja com a família desestruturada, problemas com álcool e discussões acirradas sobre drogas, ou ainda o próprio futuro de cada um.

A fórmula dos planos sequência usados pelo diretor não é novidade alguma, visto que já foram usadas e exploradas outras vezes nos também consagrados “Festim Diabólico“, “Arca Russa” e mais recentemente no suspense uruguaio “La Casa Muda“. Mas o grande trunfo foi o chamado “realismo mágico” usado muito para misturar a realidade a ficção, não só da história em si, ou dos personagens mas também uma crítica severa a forma de se fazer cinema e ao próprios críticos da sétima arte, que se sentem deuses capazes de afundar ou erguer uma obra sem ao menos terem passado por uma oficina de teatro ou ainda um set de filmagens (slap!). Ou ainda a crítica muito direta aos filmes de “ação” e “aventura” que apenas mostram pancadaria sem nexo algum, ou ainda corridas de carro sufocantes onde os protagonistas não sabem nem ao menos o que a palavra “protagonista” significa. A falta de imaginação ou bom senso na criação de filmes mais intensos e/ou inteligentes.

Em relação premiação do Oscar, em que concorre em nove categorias (edição de som está fantástica) este ano, será difícil bater Boyhood pela inovação (gravar 12 anos com os mesmos personagens), porém onde Boyhood se esquece da técnica, o “Birdman” de Iñárritu exagera. Dando show.

Link para o IMDb