jun 132022
 
Author Rating / Nota do Autor:

Torcer o nariz para mais um filme de Adam Sandler é fácil. Difícil é admitir que o filme é bom e que vale gastar duas horas do seu dia frente a um drama esportivo. Ainda mais sobre basquete.

Não que basquete deixe de ser um esporte importante, mas que não é tão difundido ou apreciado no país do futebol quanto deveria. Ao mesmo tempo que “Arremessando Alto” se torna um filé com fritas para os adoradores do esporte. Com presenças ilustres do passado e atuais, todo enredo e trama acaba se encaixando aos poucos na história.

Ainda que conte com figurinhas carimbadas da comédia como Adam Sandler e Queen Latifah (que em momento algum lembram um casal), e nomes de peso da dramaturgia como Robert Duvall e Ben Foster, quem acaba ganhando os créditos na hora do tapete vermelho é o jogador profissional espanhol Juancho Hernangomez (atualmente no Utah Jazz) que acaba sensibilizando o olheiro e sendo recrutado (ainda que de forma escusa.)

Mas o filme não é apenas sobre jogos, basquete e competições: é sobre superação. Com descontrole emocional, o jogador “Bo” deve atravessar os obstáculos de ser um amador entre os grandes, além do preconceito de mais um branco e não-americano jogar a NBA. Isso fica bastante explicito em um dos principais duelos travados em quadra. Os dramas familiares dos envolvidos em suas conquistas também permeiam todos os lados da produção.

Tecnicamente “Hustle” (título original) faz muito bem, perto de outras produções encarnadas pelo comediante: câmeras bem conduzidas e com efeitos de difícil acesso, sequencias de cortes tão rápidos que chegam a acompanhar os dribles mas velozes e estonteantes. O roteiro, apesar de quase batido, não decepciona entregando as prometidas voltas de personagens várias vezes.

Nota interessante em uma das marcantes frases de um dos personagens comentando que “não é sobre o que se é ou sobre o que somos, e sim sobre o que ainda queremos ser e para onde queremos ir”, o que se encaixa irrefutavelmente na cronologia de Sandler, quase como uma metáfora de sua então carreira como um ator pastelão, sempre querendo alçar voos maiores, mas com uma pesada corrente presa a seus pés.